Fala galera, hoje vamos falar um pouco sobre como começamos esse negócio de hambúrguer. Muita gente pergunta o que levou a gente a apostar nisso e eu vou dar uma resumida pra vocês.

 

Nossa história começa lá em meados de 2010. Apesar de Uberlândia estar em Minas Gerais, estamos mais próximo de São Paulo do que da capital mineira (a estrada pra BH é péssima). Por isso era comum juntarmos um carro de amigos e ir pra São Paulo curtir um show de rock, ou só dar um rolê mesmo, ver coisas novas, ter experiências que o interior acaba nos limitando. O hambúrguer sempre foi uma das coisas legais de SP, a gente começou nossa saga pelo Osnir, The Fifties, Applebee’s… mas foi no Weel’s, hamburgueria que ficava no shopping Frei Caneca, que sacramentamos o sonho, comemos um #burger tão gosto que tínhamos que levar algo parecido para nossa cidade.

Chegando em Uberlândia fizemos um esforço para viabilizar o projeto mas sem nenhum capital vimos que era inviável, até mesmo porque tínhamos empregos em escritório, queríamos empreender mas a estabilidade falava mais alto. O projeto ficou parado por anos e somente em 2015 finalmente o tiramos do papel. Ainda bem que escolhemos correr esse risco pois foi nossa melhor decisão.

Muita gente ajudou nesse sonho, além da família e de vários amigos, tivemos a sorte de conhecer um chef que já tinha trabalhado em alguns lugares que faziam hambúrguer em Londres como o Lucky Seven, essa ajuda foi importantíssima pois aprendemos como funciona uma cozinha de verdade, como é dividida as seções dentro dela, os processos de conservação, fluxo de pedidos e etc.

Foi um tiro totalmente no escuro, conseguímos pegar uma grana emprestada, iniciamos nosso caixa com R$100,00, isso mesmo, esse era nosso capital de giro, pegamos uma máquina de cartão também emprestada e metemos a cara. A Hamburgueria do Barão, toma vida então em maio de 2015, a primeira hamburgueria artesanal da cidade. Antes disso, Uberlândia só tinha o que chamamos de lanchinho, aquelas casa que fazem lanche com hambúrguer industrializado, mistura salsicha, presunto e etc. Nossa proposta era totalmente outra, oferecer uma experiência diferente, um lugar bacana, pequeno, comida feita na hora (nada de fast food).

Obviamente que os primeiros dias, ou até mesmo os primeiros meses, foram caóticos! Hoje eu vejo que coisas simples eram muito complicadas mas como nunca havíamos passado por aquilo, cada dia era uma nova aventura. Casa cheia diariamente, finais de semana com fila de horas. Inauguramos um segmento que a cidade nunca tinha visto até ali. Nem em nossos sonhos mais otimistas acreditávamos bombar tão rápido, as pessoas vinham de outras cidades vizinhas pra conhecer, o boca a boca corria tão rápido que logo começaram a surgir os primeiros concorrentes. Vou finalizar minha história aqui e no próximo post vou comentar um pouco sobre a minha visão de concorrência.